A verdade tem lei

Testar conhecimentos não é a mesma coisa que dialogar. Entre as mentes humanas há muita dissonância, muita confusão desaglutinadora que induz ao temperamento agressivo e belicoso nas palavras. A melhor forma de lidar com isso não é se esquivar do diálogo, mas preservar a mente de outras paixões que não aquela que reflete a luz na busca da verdade. A verdade se alimenta de concórdia e entre aqueles que têm boa vontade não há espaço para discussões improfícuas.

Em todos os tempos, em todas as civilizações, em todos os contextos sociais haverá divergência de opiniões humanas, pois o humano é condição de busca, de interrogação, de inquietudes. Mas isso não justifica o embate ideológico constante, a aridez das palavras ou o peso de uma suposta verdade que não admite a divergência.

De posse da verdade estamos todos nós que amamos, que queremos o progresso do ser e que tentamos estimular a benevolência entre os nossos. A verdade, portanto, produz bons frutos. Se a verdade da qual estás de posse precisa ser defendida, então defende-a, mas aquilatas que a forma como o fazes pode descaracterizar a sua essência, pois essencial à verdade é o acesso fácil e amistoso, a expressão benevolente e doce.

Conclamamos os amigos espíritas a não compactuarem com as inúmeras manifestações de discórdia que grassam entre vós. Tudo é motivo de litígio para a mente enferma que sente prazer no combate infrutífero de ideias, mas tudo converte em parcimônia aquele cuja luta real é vencida em si mesmo e não no mundo. Sabemos que o mundo é um palco e há quem se julgue nele um ator principal, mas a verdade, a tão buscada verdade é que todos estamos encenando perante nossos próprios egos imaturos.

Não queremos com isso retaliar aqueles cuja eloquência é eficaz e encontra verdadeiro lugar no contexto social. É necessário o diálogo, a exposição de ideias e até o debate público, mas é necessário compreender que há um diálogo consigo mesmo que precisa ser tentado antes do enfrentamento com os outros, pois a mente é também o palco de projeções infantis e de resquícios traumáticos que eclodem sempre ao primeiro estímulo.

Aquieta, pois, a tua mente. Adianta-te no impulso de soerguimento próprio antes de te precipitares nas tentativas de correções do mundo. O mundo sobreviverá sem as tuas opiniões, mas tu sucumbirás sem a paz interna necessária ao teu bem-estar.

Somente aqueles que venceram a si mesmos foram capazes de tecer observações eternas dentro de um contexto social. Fora disso temos apenas articulações, tentativas, aproximações, conjecturas que, como tais, estão em estado de maturação e evolução social.

O eterno se manifesta na história, mas aqueles que o interpretam fazem-no de modo limitado e singular. Não pensem, pois, que houve última palavra acerca de questão alguma, pois última palavra é algo impossível em um mundo que ainda não atingiu a sua evolução final.

O eterno Deus que habita em ti haverá de falar ao teu coração de modo mais ressonante e eficaz do que mil teorias. Ama e aguarda. A verdade tem lei e se faz, apesar de tudo.

Este post tem um comentário

  1. Parabéns, Catarina Rochamonte, pela beleza do site e qualidade do material disponível. Sua produção literária, seja acadêmica, filosófica ou política ombreia os grandes nomes das referidas áreas, namaste.

Deixe uma resposta

Fechar Menu