O prazer sexual é ambíguo

Acautela-te contra as perversidades do mundo. Não permitas jamais que a juventude, a alegria, o entusiasmo – que são graças divinas – levem-te a cometer atos sacrílegos e impensados. A juventude pode ser a fase conturbada e difícil que por vezes é, mas pode também trazer a energia necessária para a realização de grandes obras.

O homem forte, versado, intelectualmente potente e fisicamente saudável não deve permitir que essa força se esvaia em fantasias pueris ou em atitudes indecentes e infrutíferas. A mulher bela, bem posta, elegante e cheia de vitalidade não deve perder a oportunidade de enobrecer aqueles a quem encanta, servindo sempre de exemplo pelas suas nobres atitudes, pela sua bela conduta e pela sua suprema coragem. A mulher que opta pelo mau exemplo da devassidão, ao invés do exemplo dignificante, traz pra si um grande problema. Pouco importa o que o mundo diz: a mulher com sua delicadeza e com sua fortaleza moral interna é o sustentáculo ideal de uma família sã e a maternidade jamais deve ser renegada ou recriminada, por ser ela um campo dignificante e nobre que nunca poderá ser usurpado.

O prazer sexual é ambíguo: a entrega amorosa o enaltece e a luxúria desregrada o avilta. Ninguém pode entretecer relações sexuais desarmônicas sem desarmonizar a si próprio. É imperioso o resgate no mundo do recato e do respeito, da sublimidade do sentimento e da altivez moral de homens e mulheres mutuamente comprometidos. É impossível a estruturação psicológica saudável em um corpo mal-governado sexualmente. Ciente disso, alimenta a tua energia sexual com aquele ou aquela que elegeste para dividir a tua vida, com suas dores, alegrias e responsabilidades. Atravessa os desafios que essa comunhão te apresentar, fiando-se na certeza de que estás a cumprir um dever para consigo e para com o teu equilíbrio espiritual.

Relaxa das tensões advindas da ação do outro e comprometa-te tu mesmo com a alegria conjugal que almejas. O risco de uma aventura amorosa com suas intensidades e encantos jamais sobrepujará a benção da paz familiar. A família ainda é o ponto máximo de consumação moral de uma sociedade. Sem ela não há estrutura social que resista.

Renova as forças para a luta diária e retoma, sempre que precisar, as tuas primeiras intuições. As intuições morais são sutis: estão no íntimo do teu pensamento mais silencioso e guardado. Jamais corromperás a ti mesmo ou ao outro sem que essa consciência do bem e do dever te acuse. Assume, pois, a tua vida com responsabilidade e grandeza de espírito para que a serenidade da velhice seja o fruto a colher da tua juventude disciplinada e responsável.

Deixe uma resposta

Fechar Menu